Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Gigantes da tecnologia, como o Google, a Microsoft e a Qualcomm, expressaram preocupações com a venda da ARM para a Nvidia. A preocupação das empresas é que a aquisição de US$ 40 bilhões da desenvolvedora de chips desequilibre o mercado de semicondutores ao dar poder demais para uma empresa com interesses no setor.

O presidente da Nvidia, Jensen Huang, afirmou que a aquisição vertical não afetaria o modelo de negociações da produtora de componentes, que continuaria atendendo a todos. O interesse da empresa em ser dona da ARM estaria na integração da tecnologia com o desenvolvimento de suas IAs para carros autônomos.

publicidade

As empresas entraram em contato com as autoridades antitruste nos Estados Unidos, Reino Unido, Europa e China, exigindo o impedimento da venda. Para que a venda ocorra, as reguladoras precisam ouvir a opinião das empresas afetadas, um processo que pode levar tempo e resultar em concessões, mudanças de contrato – ou até mesmo o impedimento da compra.

Poder demais nas mãos da Nvidia?

O Grupo Softbank fez o acordo de venda da ARM porque sua situação financeira não é das melhores. Recentemente, o conglomerado foi visto vendendo parte de seus ativos para quitar dívidas. A produtora de chips atende empresas de todo o canto do mundo, fornecendo componentes essenciais para gigantes como Huawei, Apple, Samsung e Apple.

A venda da ARM para a Nvidia preocupa o Google e a Qualcomm porque o monopólio poderia desequilibrar facilmente qualquer investimento em tecnologia. A influência da ARM no mercado é enorme, já que os processadores da Qualcomm são baseados em componentes da ARM, assim como os chips da Apple. O Google e a Microsoft estão trabalhando em processadores próprios, também usando as mesmas tecnologias.

Via The Verge e Bloomberg

publicidade