AplicativosNotíciasEmbaixada chinesa suspensa do Twitter por comentário sobre Uigures

Lucas Soares1 mês atrás5 min

O Twitter está adotando uma política rigorosa de conteúdo após a rede ter servido por anos para o extremismo de direita que invadiu o Capitólio. Agora, a embaixada chinesa nos Estados Unidos teve sua conta na plataforma suspensa. Isso foi por conta de se referir aos Uigures, grupo perseguido pelo governo chinês, como “máquinas de fazer bebês”.

A rede social removeu o tweet e o substituiu por um aviso dizendo que ele não estava mais disponível. É exigência do Twitter que os proprietários de contas excluam manualmente as postagens que violam suas regras antes de desbloquear contas.

Um porta-voz do Twitter confirmou para a Bloomberg que a conta realmente está bloqueada.  Tendo publicado pelo menos mais uma dúzia de tweets após aquele que quebrou as regras do Twitter, a conta @ChineseEmbinUS não posta desde 8 de janeiro. O último tweet, aliás, é sobre os uigures:

Conta suspensa

“Tomamos medidas em relação a este Tweet por violar nossa política contra a desumanização”, disse o porta-voz do Twitter. “O Twitter proíbe a desumanização de um grupo de pessoas com base em sua religião, casta, idade, deficiência, doença grave, nacionalidade, raça ou etnia”, completou ainda.

O governo se manifestou após ver a conta da embaixada chinesa suspensa. “Esperamos que o Twitter possa aderir a princípios objetivos e justos e não exibir padrões duplos nesta questão da embaixada chinesa”, disse ma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país asiático em uma entrevista coletiva em Pequim.

Nos últimos dias de governo Donald Trump, o então secretário de estado, Mike Pompeo, classificou como genocídio as ações da china contra os Uigures. Os Uigures são uma etnia túrquica que vive em sua maioria na província de Xinjang, na China, É formada por cerca de 11 milhões de pessoas. Dissidentes e 39 países na ONU acusam a China de tentar fazer um genocídio cultural, forçando os uigures a agir como os chineses da capital, reprimindo sua cultura e religião islâmica. Em 2018, o Chinês foi acusado de prender entre 800.000 e 2 milhões de Uigures.

Via Bloomberg

Imagem: Barbeiro uigur trabalhando (Gusjer/Wikimedia Commons/CC)