Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O site de revenda de usados BankMyCell publicou um relatório não muito animador aos donos de Android: os flagships com o sistema operacional perdem o dobro do valor dos iPhones em até um ano após a compra. A desvalorização é, em média de 33,62 % em comparação aos smartphones da Apple, que é de 16,7 %. No segundo ano, a perda é ainda mais drástica: os preços dos aparelhos da Google caem 61,5 %, em comparação ao concorrente, que passam a valer 35,7% a menos.

Para criar a avaliação, o listador de vendas avaliou as marcas à partir dos preços oferecidos por lojas de revenda online. À partir daí, o site marcava diariamente o preço dos smartphones com preço inicial de mercado US$ 700 (Android e iPhone), e avaliou a diferença nas ofertas de recompra.

publicidade

Android perdem valor iPhone

O relatório ignorou ofertas de tempo limitado e outras campanhas de marketing. Além disso, também não levou em consideração versões especiais dos aparelhos avaliados.

O site trouxe outros dados interessantes: a maior queda de preços no ano veio de celulares da HTC (média de -53,08%). Motorola (-42,5%), Sony Xperia (39,51%) e Google Pixel (38,46%) vieram logo atrás.

Android perdem valor iPhone

publicidade

Entretanto, o relatório deixa de fora dispositivos populares no mercado chinês – que, por sua vez, podem ter um resultado bem diferente. Aparelhos como o da Xiaomi Mi 10, por exemplo, foram os que menos perderam valor de mercado em 2020.

Valores de depreciação

A depreciação dos celulares foi medida desde a data de lançamento até o dia 31 de dezembro do ano passado. Embora o site avalie o valor dos celulares com base nas ofertas de sites de compra online, parece seguro estimar que o poder de barganha não mude muito em sites de comércio eletrônico.

A depreciação do valor de um celular não é baseada apenas na oferta. Outros fatores, como longevidade do dispositivo, performance dos componentes, compatibilidade com aplicativos e suporte contínuo a atualizações determinam a competitividade do aparelho.

Por fim, resta esperar e ver se até o fim do ano os Android ainda perderão valor em relação ao iPhone. A 13ª iteração dos smartphones Apple custará 21% a mais na produção e poderá chegar ao mercado em forma dobrável. Seus concorrentes estão correndo atrás.

Via The Next Web