Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Há diversas características que nos tornam únicos. Além do DNA e da impressão digital, a biometria facial também é algo que nos diferencia dos demais, fazendo com que o reconhecimento facial se torne um recurso de segurança e proteção de dados.

O avanço tecnológico permite que equipamentos do nosso dia a dia, como smartphones, tablets e até notebooks, possam ser bloqueados e desbloqueados com o uso de PIN / senha, biometria digital e reconhecimento facial. No caso deste último, uma simples selfie pode fazer a diferença. Mas, o que é analisado?

publicidade
Cada um, cada um

Mesmo se analisar o rosto de irmãos gêmeos idênticos, é possível encontrar pontos de diferenciação entre as pessoas. A distância entre olhos, nariz e boca, marcas únicas, como cicatrizes e pintas e até o formato do rosto compõem um conjunto de dados que gera um score biométrico e, dessa forma, gera o reconhecimento facial, a segurança e a proteção dos dados do usuário.

Cada vez mais comum

A tendência é que cada vez mais empresas passem a usar o reconhecimento facial como identidade digital e, com isso, dar mais segurança às transações. O reconhecimento facial tem acurácia de 99,98% e já tem sido usado por algumas companhias do exterior até mesmo como meio de pagamento. Além do mundo corporativo, essa solução está no bolso dos usuários finais. Usando a tecnologia de reconhecimento facial, sistemas de pagamento como o Apple Pay garantem segurança em pagamentos feitos com o Touch ID, presente nos smartphones da empresa de Cupertino.

História

O uso do reconhecimento facial como método de identificação individual não é tão antigo. Foi só a partir de meados de 1960 que a técnica surgiu, nos Estados Unidos e, o uso em aparelhos celulares veio só em 2011.

Hoje em dia, estima-se que nove a cada dez smartphones de todo o mundo sejam equipados com softwares que permitem a identificação individual por meio da biometria facial. Em San Francisco, Califórnia, a tecnologia foi banida da cidade, assim as autoridades não podem usá-la, para preservar a privacidade dos cidadãos. Nesse post do Olhar Digital, vemos alguns exemplos de como a tecnologia de reconhecimento facial é usada no mundo.

publicidade

Foto: Cottonbro/Pexels/CC