Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Desde 2016, com lançamento do P9, a Huawei e a fabricante de câmeras alemã, Leica, contam com uma parceria para produzir câmeras e softwares de processamento de imagens para os smartphones da empresa chinesa. Recentemente, surgiu um boato afirmando que as empresas teriam encerrado sua colaboração, e que o contrato não seria renovado.

Esse seria mais um baque para a Huawei, que já sofreu restrições do Google e não pode utilizar a versão completa do Android. A informação ainda dizia que a Leica teria feito um novo acordo com outra companhia oriental. Apesar disto, a Huawei negou o fim da parceria com a Leica. Assim, um porta-voz da empresa anunciou que tudo não passou de “um boato infundado” e que novos celulares com câmeras da fabricante alemã ainda vão ser lançados.

publicidade

Um dos mais recentes lançamentos da colaboração entre Huawei e Leica é o Mate 40. Os aparelhos da linha são equipados com tela OLED de 6,5 polegadas e resolução de 2376 × 1080 pixels. Os celulares vêm com processador Kirin 9000, que supera o Snapdragon 865 (do Galaxy S20 Fan Edition lançado na China) em capacidade de processamento. Além disso, os modelos possuem câmeras avançadas e o Pro+ pode reduzir as deformações provocadas pelas lentes. tendo capacidade de filmagem em 4k com 20 megapixels.

Polêmicas na empresa

Os boatos do fim da parceria da Huawei vieram com a confirmação da venda da sua marca Honor. O grupo comprador é um consórcio formado por mais de 30 empresas, e que foi criado recentemente, em setembro de 2020. O consórcio é liderado pela Shenzhen Smart City Technology Development Group.

A Huawei tem sofrido restrições de mercado após iniciativas protecionistas do governo dos EUA e foi acusada de espionagem (sem provas) pelo atual presidente dos EUA, Donald Trump. Dentre as regras de restrições, há incapacidade de adquirir chips com tecnologia americana para uso em equipamentos de rede 5G e smartphones.

Dessa forma, os lançamentos da Huawei e da Honor também sofreram restrições do Google, que revogou licenças de uso de seus pacotes de aplicativos, prejudicando bastante os negócios da empresa chinesa nos mercados ocidentais. Resta saber como ficará o panorama em 2021 com o novo governo dos EUA, dessa vez comandado por Joe Biden.

publicidade

Via Android Autorithy.