Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Zoom terá de pagar uma indenização de US$ 85 milhões a seus usuários por compartilhamento de dados privados sem autorização a empresas como Facebook, Google e LinkedIn. O acordo preliminar foi anunciado no último sábado (31/7).

Além do pagamento, o Zoom promete implementar medidas de segurança mais robustas à plataforma e fornecer a seus funcionários um treinamento especial com foco em gestão de dados privados. “A privacidade e a segurança dos nossos usuários são as principais prioridades do Zoom e levamos a sério a confiança que nossos usuários depositam em nós”, disse a empresa sobre o acordo, em comunicado divulgado à imprensa americana neste domingo (1º/8).

publicidade

A decisão do Tribunal Distrital do Norte da Califórnia ainda precisa da aprovação da juíza local Lucy Koh para ser levado adiante. Caso seja deferido, os usuários afetados terão direito a reembolso de 15% da taxa de assinatura ou US$ 25. Já clientes não-assinantes do Zoom podem receber até US$ 15 pelo compartilhamento de dados sem autorização.

O Zoom tentou persuadir o Tribunal a rejeitar a ação registrada no segundo semestre de 2020, mas não obteve sucesso. Outra audiência sobre o caso está marcada para outubro.

Acusações de “zoombombing”

Ainda segundo o texto da ação, o Zoom permitia uma prática online apelidada de “zoombombing”, em que hackers conseguiam invadir videochamadas e expor imagens pornográficas ou mensagens de tom racista. Sobre este tema, a empresa destaca uma série de atualizações lançadas no ano passado, bem como mudanças no manuseio de dados privados para evitar tais invasões. “Estamos orgulhosos dos avanços que fizemos em nossa plataforma”, ressalta o comunicado divulgado no domingo.

Antes da pandemia de covid-19, o Zoom, um app originalmente lançado em 2012, estava restrito a espaços de trabalho. Com as pessoas trabalhando de casa, no entanto, o aumento na demanda de downloads cresceu vertiginosamente — um fato para o qual a empresa não estava preparada, o que expôs o enxame de vulnerabilidades nos últimos meses. Só para demonstrar esse crescimento, a base de clientes do Zoom em janeiro de 2020 era de 81.900 pessoas; 15 meses depois, em abril deste ano, o número chegou a 497 mil. A receita da empresa também aumentou em 191% no primeiro quadrimestre de 2021.

publicidade

Via Digital Trends e Reuters

Imagem: Sundry Photography/iStock