Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O processador Google Tensor, apresentado oficialmente hoje com um teaser do Google Pixel 6 e Pixel 6 Pro postado no Twitter, é um passo importantíssimo para a empresa de Mountain View, e representa sua tentativa de criar um ecossistema semelhante ao da Apple com seus processadores próprios, e também como uma declaração de independência com relação a Qualcomm, fornecedora dos chips dos dispositivos Pixel lançados até hoje.

Com o seu SoC, o Google tem muito mais controle sobre o produto final, e pode fazer uma integração bem melhor entre o Android 12 e seu hardware próprio, potencialmente aumentando e otimizando a autonomia da bateria, desempenho de aplicativos, etc.

publicidade

Quando optou por usar o Snapdragon 765G e não um flagship da Qualcomm no lançamento do Pixel 5 em outubro do ano passado, o Google alegou que o objetivo era ter maior controle sobre o hardware, o que mostra que esse desejo já vem de outros anos. Dessa vez, o processador não deve ter um desempenho de topo de linha, mas o fato de ser fabricado pelo Google, permite um controle e otimização muito maiores.

Tarefas de IA e machine learning mais rápidas, rodando localmente

Montagem promocional com o Google Pixel 6 em diversas cores

O destaque do Tensor é que ele pode processar modelos de IA e machine learning no próprio dispositivo, o que deve melhorar a experiência de uso com a câmera, reconhecimento de fala e outras funções do Pixel 6. Segundo a empresa, o Google Tensor permite grandes saltos em comandos de voz, tradução, legendas em tempo real e ditado (transcrição de voz). Além disso, o Google adicionou camadas de segurança de hardware no Google Tensor, o que potencialmente deve tornar os novos Pixel 6 e Pixel 6 Pro bem seguros.

Para Rick Osterloh, VP de dispositivos e serviços do Google, “a IA é o futuro do nosso trabalho de inovação, mas o problema que encontramos são limitações computacionais que nos impedem de cumprir a missão em sua plenitude. Então nos dedicamos a construir uma plataforma tecnológica criada para mobile que nos permita trazer nossas mais inovadoras tecnologias de IA e machine learning para os usuários Pixel. Nós nos dedicamos a criar nosso próprio System on a Chip (SoC) para o Pixel 6. E agora, anos depois, ele está quase entre nós”.

Como o Google deu tanto destaque a IA e machine learning, seu investimento profundo em hardware deve ser usado para mais do que isso. Assim, apesar de ser exclusivo da linha Pixel 6 por enquanto, é de se imaginar que o Google vá aproveitar seus processadores em outros dispositivos e produtos.