Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Organizações de alpinismo e montanhismo na Escócia lançaram um comunicado na sexta-feira (16/07) em que criticam o Google Maps por fornecer uma rota de carro “potencialmente letal” para a montanha de Ben Nevis, a mais alta do Reino Unido. De acordo com a John Muir Trust, organização que toma conta do pico de 1.345 metros de altitude, o aplicativo exibe um caminho que direciona os usuários a um estacionamento próximo ao cume da montanha em vez da entrada.

“Mesmo o montanhista mais experiente teria dificuldade em seguir essa rota”, explica Heather Morning, conselheira da Mountaineering Scotland, organização que assina o comunicado com a John Muir Trust. “A linha passa por terrenos muito íngremes, rochosos e sem caminhos em que, mesmo com boa visibilidade, seria difícil encontrar uma rota segura. Some baixas nuvens e chuva a isso e a rota sugerida pelo Google Maps é potencialmente letal”, acrescentou.

publicidade

Em declaração à CNN na mesma data (16/07), um porta-voz do Google agradeceu o feedback dado pelos grupos de montanhismo e explicou que a empresa americana está examinando o problema de roteamento em Ben Nevis e arredores. A companhia também esclareceu que está atualizando suas rotas de direção para levar as pessoas ao centro de visitantes da montanha, que é onde começa a rota oficial.

Organizações pedem para visitantes usarem mapas físicos

Ainda temerosos, a John Muir Trust e a Mountaineering Scotland aconselharam as pessoas interessadas em escalar a Ben Nevis a verificar suas coordenadas em um mapa profissional. Além disso, que, caso tenham dúvidas no caminho, consultem guias locais.

Segundo Morning, muitos visitantes não sabem onde obter informações confiáveis sobre a região e acreditam que o Google Maps pode levá-los ao topo de uma montanha. Ela cita o caso de uma montanha no noroeste da Escócia, An Teallach, em que o mecanismo de busca do Google Maps no modo caminhada leva as pessoas a um penhasco.

“É muito fácil hoje em dia presumir que as informações na internet são boas, corretas e atualizadas”, esclareceu a conselheira. “Infelizmente, a experiência mostra que este não é o caso, com vários incidentes recentes em que seguir as rotas baixadas na internet resultaram em ferimentos ou pior.”

publicidade

Via 9to5Google e Gizmodo

Imagem: Migle Siauciulyte/Unsplash/CC