Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Depois de reclamar muito e bloquear todos os perfis de notícia no país por um período, o Facebook finalmente parecia ter aceitado a lei da Austrália que diz que a rede social precisa pagar para as editoras do país pelo conteúdo jornalístico que elas geram para a plataforma. Mas quando o The Conversation, que publica comentários de acadêmicos sobre assuntos atuais, tentou começar uma negociação com o Facebook para receber por seu conteúdo, a companhia de Mark Zuckerberg se negou sem dar nenhuma razão.

Essa recusa do Facebook em negociar com o The Conversation deve ser o primeiro teste da lei da Austrália de pagamento de conteúdo jornalístico, que estabelece que o governo pode indicar um árbitro para intervir quando as negociações falharem.

publicidade

Resposta do Facebook foi vaga

Numa declaração, o chefe de parceria de notícias do Facebook para a Austrália, Andrew Hunter, disse que a rede social está “focada em concluir acordos comerciais com uma variedade de editoras australianas”, sem abordar exatamente a questão com o The Conversation. Segundo Hunter, o Facebook está trabalhando numa iniciativa própria para “apoiar redações regionais, rurais e digitais da Austrália e jornalismo de interesse público nos próximos meses”.

Rod Sims, presidente da Comissão Australiana de Competição e Consumidor (CACC), disse numa entrevista que “se o Google fechou um acordo com eles [The Conversation], não vejo como o Facebook vai argumentar que não pode. A questão da indicação [de um árbitro] pode entrar em jogo”. O Google também se enquadra na lei da Austrália e precisa pagar por conteúdo jornalístico. O The Conversation foi uma das primeiras editoras a fechar um acordo de pagamento com o Google.

Outras editoras menores e independentes, cujo conteúdo atrai quatro quintos da população de 25 milhões de pessoas da Austrália para o Facebook, também estão reclamando. Nelson Yap, editor do Australian Property Journal, publicação coberta pela lei da Austrália, disse que mandou dois e-mails para o Facebook para discutir o acordo, mas foi ignorado. “Li que o Facebook está negociando com editoras. E fico sentado aqui pensando, com quem? Não conosco. Apesar de termos abordado a companhia, não tivemos resposta. Estamos aqui coçando a cabeça, tentando descobrir o que fazer agora”, disse Yap.

Via Reuters

publicidade

Imagem: Joey Csunyo / Unsplash