Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Quem já usou um headset de realidade virtual, muito provavelmente sentiu na pele (ou melhor, nos olhos), a diferença de luminosidade do mundo de faz de conta e do ambiente real, e é justamente nisso que a Apple está trabalhando para deixar o Apple Glass diferente dos acessórios vendidos atualmente no mercado. O pedido de patente foi registrado no Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos (USPTO), é chamado Electronic Device with Adaptive Display (ou Dispositivo Eletrônico com Tela Adaptável).

De acordo com a documentação, a ideia da Apple é aproximar ao máximo a luminosidade do ambiente em que o usuário estiver com a que ele terá dentro do Apple Glass, diminuindo, assim, o impacto quando o dispositivo for removido após o uso. “O usuário pode sentir deslumbramento ou desconforto ao fazer a transição de uma experiência de visualização de realidade virtual”, diz a patente.

publicidade

Para conseguir transformar o que está na patente em realidade no futuro Apple Glass, a empresa de Cupertino pretende usar o que chamou de circuitos de controle, que incluiriam neles um sensor de ambiente. “Os circuitos de controle no dispositivo eletrônico podem estimar um estado de adaptação de brilho do usuário que está usando o dispositivo eletrônico, e ajustar o brilho da tela com base no estado de adaptação do usuário”, explicou o documento.

Faixa de brilho

Outro ponto levantado na nova patente do Apple Glass, agora voltada para o ajuste automático da luminosidade, diz respeito à faixa de brilho. Segundo a documentação registrada pelos especialistas Nicholas P. Bonnier e Christina G. Gamboacorta, os dispositivos HMD poderiam ajustar a faixa de brilho de uma experiência AR / VR “em certos períodos, para aumentar a faixa dinâmica percebida da tela”.

Os recursos também incluem a personalização do Apple Glass para as diferentes pessoas que o utilizarem. Segundo a patente, a intenção é que o dispositivo possa, por meio da inteligência artificial, “reunir atributos fisiológicos de um usuário, como taxa de piscada, tamanho da pupila e abertura dos olhos”. Tudo para ajustar o conforto e diminuir a diferença de luminosidade entre o mundo real e o virtual.

Via Apple Insider

publicidade

Imagem: Yuri Manei/Pexels/CC