Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Você pode se surpreender com a informação de que o Snapchat ainda tem aproximadamente 280 milhões de usuários ativos mensalmente. Os usuários do Android são os mais fiéis ao app, que perdeu popularidade com o surgimento do Instagram Stories. A guerra de conteúdo em vídeo, aliás, já está em outra fase com o protagonismo do TikTok. Mas o novo esforço da Snap Inc envolve a compra de uma empresa de mapeamento 3D. As razões são um tanto óbvias: sofisticar ainda mais os recursos de realidade aumentada da plataforma.

O negócio ficou na casa dos US$ 7,6 milhões (R$ 41,38 milhões em conversão direta hoje, 26/04). A Pixel8earth agora é propriedade da Snap Inc, e seus recursos serão integrados aos times de mapas e realidade aumentada. Uma declaração no blog da companhia disserta sobre o futuro da ferramenta após essa compra.

publicidade

“Metas ambiciosas exigem recursos e muitas pessoas inteligentes. Não poderíamos estar mais felizes em nos juntar a uma equipe tão fabulosa de velhos e novos amigos. Há muito trabalho a ser feito. Fique ligado enquanto embarcamos em uma nova jornada para ajudar a trazer a próxima geração de experiências em computação para o mundo.”

Pixel8earth e dados colaborativos para mapas

Além da compra da própria Pixel8earth, os quatro fundadores da startup trabalharão para o Snapchat. Agora, a expertise deles ajudará principalmente na criação de novas funções para experiências de realidade mista a partir de dados abertos para sistemas de geolocalização. Isto porque a empresa, antes de ser adquirida, já possuía conhecimento em bases abertas de mapeamento 360º de localidades, o que parece ser o interesse principal do app com essa compra.

Não se sabe se com a compra da empresa de mapeamento 3D o serviço principal da mesma será encerrado pela Snap Inc. Fato é que a ida às compras pelo Snapchat certamente demonstra que o serviço não está prestes a desaparecer. O interesse por ferramentas de mapas mostra que a plataforma quer ir além das funções usuais para, quem sabe, retornar aos dias de glória.

Via TechCrunch

publicidade

Imagem: Souvik Banerjee/Pixabay