Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O ministro britânico Oliver Dowden acionou a Autoridade de Competição e Mercado do Reino Unido (CMA) para que investigue a compra da companhia ARM Holdings feita pela NVidia. A ação foi tomada porque o acordo fechado em US$ 40 bilhões (R$ 222 bilhões) pode apresentar riscos à segurança nacional, segundo o ministro.

A ARM Holdings, que é britânica, está entre as mais importantes fornecedoras de semicondutores do mundo. Esse tipo de produto é essencial para inúmeras tecnologias, desde inteligência artificial até celulares 5G. Também são a base de sistemas críticos da infraestrutura tecnológica do Reino Unido, como os aparatos da defesa e segurança nacional.

publicidade

Com a compra feita pela NVidia, a ARM, que fornece semicondutores para a Qualcomm, a Apple e outras grandes empresas, ficará nas mãos de uma única companhia dos EUA. E isso preocupa o governo do Reino Unido, que instaurou a investigação para saber qual será o impacto disso nos assuntos internos e na segurança do país.

O que dizem os envolvidos

O ministro Oliver Dowden disse à agência de notícias Reuters que a investigação irá ajudar a compreender qual o impacto dessa transação para o governo Britânico. Dependendo do que for analisado, ele decidirá se o acordo poderá ser fechado com ou sem obrigações por parte das empresas envolvidas. Há, também, a possibilidade dessa investigação primária resultar em outra mais profunda e demorada, que pode afetar a transação.

Em resposta, a NVidia declarou que não enxerga nenhum risco real aos assuntos de segurança nacional do Reino Unido na compra da ARM. Disse também que vai continuar a trabalhar junto das autoridades, como fizeram desde o anúncio da aquisição.

Via Reuters

publicidade