Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A crise financeira mundial causada pela pandemia do novo coronavírus mudou o hábito de muitas pessoas, e fez crescer alguns mercados. Entre eles, o de smartphones usados. De acordo com um levantamento feito pela Trocafone, empresa que atua no setor de recommerce (revenda de aparelhos usados), o segmento bombou durante a crise.

A startup, que trabalha com compra e venda de smartphones e tablets tanto no Brasil quanto em outros países da América Latina, registrou um aumento de 60% na venda de smartphones desde março de 2020, quando a pandemia teve início. Guille Freire, CEO da Trocafone, apresentou uma explicação bastante simples para o fenômeno.

publicidade

“Com o isolamento social, trabalho home office e aulas online, as pessoas acabaram recorrendo à compra de aparelhos seminovos para atender a necessidade dentro de casa. Este tipo de equipamento chega a custar em média 40% menos do que os novos. Além da economia no bolso, o recomércio de smartphones usados também reduz o lixo eletrônico no país”.

iPhone 7 e “família S” puxaram a fila

Os dados compilados pela Trocafone também revelaram quais foram os campeões de venda entre os smartphones usados durante a pandemia. O preferido do público foi o iPhone 7, lançado no Brasil em setembro de 2016, com preços que variavam entre R$ 3.499 (versão de 32 GB) e R$ 4.299 (variante com 256 GB). Atualmente, um flagship da Apple com pouco menos de cinco anos de uso custa a partir de R$ 1.279 no site da Trocafone.

Logo na cola do iPhone 7, dois smartphones da mesma “família” fecham o top 3 entre os usados mais vendidos durante a pandemia: o Samsung Galaxy S8 e o “irmão”, Galaxy S9. Atualmente, é possível encontrar um S8 no site da Trocafone por R$ 989, enquanto um S9 sai por R$ 1.229. Na época dos seus lançamentos, no entanto, os flagships da Samsung eram bem mais caros no País.

O S8, que chegou em abril de 2017, custava R$ 3.999, enquanto o S9, que desembarcou por aqui dois anos depois, saia por R$ 4.899. A reportagem do VC tentou contato com o CEO da Trocafone para saber quanto exatamente cada modelo do top 3 vendeu durante a pandemia, mas não obteve resposta.

publicidade
Fenômeno global

Um levantamento feito pelo Instituto de Pesquisas de Mercado International Data Corporation (IDC), indicou que o fenômeno de explosão em venda de smartphones usados durante a pandemia não foi privilégio da Trocafone. De acordo com o órgão, o número de aparelhos usados comercializados em 2020 pode ter alcançado 225,4 milhões de unidades ao redor do mundo.

A empresa disse acreditar ainda que o fato de a pandemia ainda não ter acabado pode contribuir para que estes números aumentem ainda mais nos próximos anos. A estimativa é que as remessas de aparelhos usados possa chegar a 351,6 milhões de unidades em 2024, resultando em um valor de mercado em torno dos U$ 65 bilhões (R$ 365 bilhões), e uma média de crescimento de 11,2% ao ano entre 2019 e 2024.

Imagem: Master Japko/Pixabay/CC