Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Apple vem aprimorando sua tecnologia de reconhecimento de impressões digitais sob a tela para criar uma versão bem mais interessante do velho Touch ID em futuras gerações do iPhone. Um pedido de patente recém-publicado no Escritório de Marcas e Patentes dos EUA indica essa possibilidade.

Na patente, descoberta pelo site Patently Apple, a empresa de Cupertino descreve seu novo sistema de Touch ID sob tela como “mais preciso e confiável” do que os convencionais. Trata-se, segundo a empresa, de um sistema de detecção sofisticado que utiliza “iluminação angular fora do eixo” para a leitura de impressões digitais sem que seja necessário aumentar o tamanho dos componentes.

publicidade

Boa parte dos sistemas óticos de escaneamento digital sob a tela funciona através da luz emitida pela tela do celular. A iluminação sob o dedo do usuário espelha a impressão digital, que é então autenticada através de pequenas aberturas entre os pixels da tela.

O problema é que, em razão da “taxa de transferência e difração de baixa luminosidade”, de acordo com a Apple, imagens de impressão digital muitas vezes estão sujeitas a pouco contraste e relação sinal-ruído. Isso dificulta a leitura da impressão digital e aumenta o tempo para autenticar um usuário.

Cróqui para sistema de reconhecimento de impressões digitais sob a tela da Apple

Cróqui para sistema de reconhecimento de impressões digitais sob a tela da Apple (Reprodução/Escritório de Marcas e Patentes dos EUA)

Como funciona o sistema

A Apple propõe, então, um sistema em que a iluminação angular fora do eixo é capturada por filtros interdependentes situados entre a tela e o sensor. De acordo com a empresa, o método “melhora o contraste das impressões digitais e mantém a compactação de todo o sistema de detecção”.

O sistema possui duas camadas principais que atuam juntas: uma interna e outra externa, mais transparente. A primeira emite luz e é configurada para iluminar qualquer superfície tocada pela segunda, de modo que permita a transmissão de raios de luz para outras camadas. Uma terceira camada ótica sob a tela “torce os raios de luz espelhados” que são, então, interpretados por um colimador e um sensor pixelizado.

publicidade

Já há alguns meses circulam rumores de que a Apple flerta com o retorno do sensor biométrico. Em setembro do ano passado, o site Patently Apple noticiou a existência de uma patente para o Touch ID com um sensor óptico sob a tela. Pouco depois, a empresa também registrou novo pedido de patente para o recurso, desta vez no Apple Watch.

De acordo com o analista Ming-Chi Kuo, a Apple trabalha a possibilidade de lançar um iPhone com sensor Touch ID sob a tela em 2023. Outras fontes, como a Barclays, antecipam a data para ainda neste ano. A última vez em que o recurso apareceu em um smartphone da empresa se deu em 2017, com o iPhone 8 Plus.

Via MacRumors

Imagem: MacRumors