Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Os novos Galaxy S21 chegaram ao mercado, com o modelo Ultra sendo o mais avançado e trazendo, de novo, Space Zoom de 100x como seu maior destaque. É surpreendente que uma câmera de celular atinja todo esse alcance mesclando aproximação óptica e digital, mas isso tem um preço: segundo o iFixit, que já desmontou o aparelho, se trata de do S21 mais difícil de consertar.

Os motivos são um tanto óbvios: módulo de câmera mais largo, com mais lentes, e uma traseira que não é plástica como a do S21 regular, por exemplo. Tudo isso colaborou para uma nota baixíssima em termos de reparabilidade: 3/10, a mesma do S20 Ultra. O iFixit é um portal dedicado a tutoriais de manutenção de aparelhos, e por isso uma nota baixa por parte deles realmente indica problemas quanto a manutenção de um smartphone.

publicidade

Dentre grandes problemas que corroboraram para o desempenho ruim nos testes do portal estão o uso excessivo de colas na bateria, no display, e nas placas internas. Isso exigirá que um técnico muitíssimo bem treinado atue para resolver uma troca de bateria, por exemplo, sem quebrar outro componente no caminho. Imagine que quem paga mais de R$ 6 mil em um smartphone não deseje trincar um display desses durante um reparo não relacionado à tela, certo? E apesar desse sempre ser um risco — em doses menores em um ou outro aparelho — aqui ele se torna algo mais real porque o S21 Ultra se mostra mesmo um aparelho de difícil conserto.

Alguns pontos positivos

Porém, nem tudo é crítica: foi elogiado os parafusos escolhidos para fixar placas internas, que requerem na maioria das vezes chaves convencionais do mercado (Phillips). Foi observado ainda que a Samsung ganhou espaço no corpo do S21 Ultra ao deixar a chapa de carregamento sem fio mais fina. Além disso, o dispositivo também ganhou um sensor biométrico óptico que é 77% maior que o do S20 Ultra.

Seja como for, não é esperado que um flagship como esse apresente problemas tão cedo, mas que o S21 Ultra é difícil de consertar, ele é. Vale lembrar que a Samsung comercializa no Brasil seu próprio plano de seguros e garantia estendida, que cobre danos como trocas de tela (mediante pagamento de franquia).

Via iFixit e Android Authority

publicidade