Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Um homem na Austrália está iniciando um processo contra a Apple após seu iPhone explodir no bolso. O acidente aconteceu em 2019, e Robert De Rose teve queimaduras de segundo grau. Ele não percebeu que havia algo errado com o celular até sentir dores na perna, e então notar que seu aparelho fez um barulho estranho.

Após isso, o estrago estava feito: como documentado à época, em imagens, o estrago foi real tanto em De Rose quanto nas suas roupas. O smartphone estava protegido por uma capa, que também derreteu em algumas partes. Segundo ele, o dispositivo havia sido comprado há um ano, e funcionava como o esperado até então.

publicidade

Com toda certeza a curiosidade de muitos é o porquê de De Rose ter demorado tanto para iniciar o processo após o iPhone explodir no seu bolso. Segundo ele, houve tentativa de tratar sobre o acidente diretamente com a Apple, mas ele não recebeu respostas. Agora, já com um advogado — que afirma ter outro cliente com problema parecido, mas envolvendo o Apple Watch — o caso repercutiu e a empresa de Cupertino emitiu uma nota. Nela, o porta-voz da companhia se limita a informar que a Maçã leva a segurança do usuário muito a sério, e que investigará os dois casos.

A bateria é sempre a culpada

Não é a primeira vez que um iPhone explode no bolso de alguém e dificilmente será a última: abastecidos com baterias de íons de lítio, essa mistura tende mesmo a não dar muito certo sem cuidados. Muitos usuários não passam por esses problemas porque muitos truques e proteções adicionais são implementados pelas fabricantes. O fato do mercado nos convencer a trocar de aparelho periodicamente também ajuda a escaparmos de baterias estufadas e que vazam, problemas mais comuns a longo prazo.

Como vimos, nem o iPhone está imune a explodir no bolso, mas o caso mais grave já documentado é oferecido pela Samsung. O emblemático Galaxy Note 7 tem uma trajetória como poucos ao explodir com certa frequência nos bolsos e nas mãos dos usuários, criando até proibições específicas para embarque em voos com o dispositivo. A Samsung recolheu todas as unidades do mercado, diminuiu a capacidade da bateria, o relançou exclusivamente na Coreia do Sul, e prometeu prestar mais atenção com seus futuros produtos.

Via 7News e Apple Insider

publicidade

Imagem: Eugenekeebler (iStock)