Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Elena Segal, diretora de publicação musical da Apple Music, explicou em uma audiência com o governo britânico por que o serviço nunca terá um modo grátis com anúncios. A audiência é parte de uma investigação sobre se os artistas são pagos de maneira justa pelos serviços de streamings.

Segundo Segal, na Apple Music, “Não achamos que um serviço baseado em anúncios pode gerar renda suficiente para apoiar um ecossistema saudável no geral. E isso também iria contra nossos valores fundamentais sobre privacidade”.

publicidade

Outra questão abordada na audiência era se o sistema atual de pagamento para artistas em serviços de streaming é justo, ou se a indústria deveria usar a chamada “política centrada no usuário”. O site Musically, que cobriu a audiência, diferenciou o sistema atual dessa nova política. “Se um artista (Drake, por exemplo) tiver 2% dos streams em certo período, os detentores dos direitos das músicas dele recebem 2% da pool de royalties. Mas isso também significa que 2% dos royalties gerados por cada assinante vão para a música de Drake, mesmo se a pessoa não ouvir as músicas dele”.

Numa política centrada no usuário, “a porção de royalties da assinatura do usuário é dividida somente pelos detentores dos direitos de todos os artistas que ele ouvir. Se a pessoa só ouve Drake, a música dele assegura 100% dos royalties”. Estudos estão sendo conduzidos para provar se esse modelo é realmente mais justo para os artistas.

Segal disse que a Apple está aberta para discutir sobre uma mudança de política, mas que seria muito difícil chegar a um consenso com todos os licenciadores. A executiva da Apple Music também disse que a companhia pode discutir a adoção de outro modelo, “remuneração equitativa”, onde os royalties são divididos meio a meio entre selo e artista, que é como as coisas funcionam nas rádios. Hoje, compositores recebem 15% da renda gerada em serviços de streaming. Mas Segal apontou que também seria difícil que todas as partes concordem com o que é justo aqui.

Segal deixou claro que a Apple Music não vai tentar competir com o Spotify adotando um modo grátis. Resta saber se a Apple tem planos para competir com o Spotify HiFi, o novo serviço de áudio lossless da gigante de streaming.

publicidade

Via 9to5mac

Imagem: Jan W. (Pixabay)