Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Disney bloqueou o acesso de filmes e séries com estereótipos culturais (ou até mesmo racistas) dos perfis infantis na Disney+, a sua plataforma de streaming. Clássicos como Dumbo, Peter Pan e Mogli só estão disponíveis para usuários sem restrições de idade.

A preocupação em manter um catálogo para todas as idades é uma prioridade da Disney+ desde o seu lançamento. Deste modo, adotou como padrão a exibição de um aviso antes de filmes antigos informando que certas retratações das obras refletem hábitos do passado e que não condizem com aquilo que empresa acredita, tampouco com o reflexo da sociedade contemporânea.

publicidade

No entanto, parece que o aviso não foi suficiente e, na última semana, usuários notaram que algumas das principais produções dos estúdios não eram mais exibidas em contas infantis, aquelas configuradas para menores de 10 anos.

Disney+ retira do catálogo infantil filmes e obras racistas. Reprodução: Three Caballeros/Walt Disney Studios

A empresa não deixou claro quais são os critérios para que uma obra seja considerada inadequada, mas, no geral, os filmes sinalizados possuem cenas envolvendo vícios como charutos e cigarros, violência e a retratação preconceituosa de outras etnias. Entre os títulos que não estão mais disponíveis nas contas infantis da plataforma estão:

  • Dumbo (1941)
  • Peter Pan (1953)
  • A Dama e o Vagabundo (1955)
  • Mogli (1967)
  • Aristogatas (1970)

Apesar disso, outros filmes do catálogo como Fantasia (1940) e Você já foi à Bahia (1941) também incluem o alerta em seus créditos.

publicidade

Histórias importam

Embora a Disney não tenha feito nenhum comunicado oficial sobre as mudanças. A decisão em combater filmes e obras racistas está diretamente ligada ao projeto “Stories Matter” (Histórias Importam) que busca reparar qualquer traço de estereótipos racistas do passado da companhia, com iniciativas que desenvolvam novos profissionais e a criação de histórias pensadas para uma nova geração, sem preconceitos ou a exploração de estereótipos.

O projeto exterioriza uma decisão que já é antiga da Disney. Nas últimas décadas, suas produções passaram a focar cada vez mais em narrativas com mulheres fortes, independentes e na retratação da diversidade, bem como outras culturas sendo retratadas em seus filmes.

Além da Disney+, outras plataformas de streaming também buscam banir filmes com possíveis mensagens racistas de seu catálogo. Em 2020, após o assassinato de George Floyd, a HBO Max chegou a retirar o filme “E O Vento Levou” da plataforma. A obra é considerada um marco de um período em que o cinema retratava a escravidão de maneira errada. Após algumas semanas, o filme voltou ao catálogo da plataforma, acompanhado por um material informativo sobre os seus problemas e aspectos históricos.

Via WDW News