NotíciasRedes sociais afetam saúde mental de adolescentes de forma negativa

Letícia Rio Branco1 mês atrás6 min

Nos dias atuais, é cada vez mais comum que os adolescentes passem horas a fio em suas redes sociais, mesmo em detrimento de sua Redes sociais saúde mental. Seja na escola ou em casa, os jovens vivem em um mundo paralelo, postando sem parar no Instagram e no TikTok, principalmente.

Não por acaso, o TikTok, que é voltado para o público jovem, tem encontrado problemas por conta da exposição de dados dos seus usuários. Diante deste fato, o que tem causado preocupação é que a saúde mental dos adolescentes pode estar sendo afetada de maneira negativa, de acordo com uma pesquisa feita no Reino Unido, que alia o problema do uso em excesso das redes sociais, também, à falta de exercícios.

Adolescente com celular na mão: estudo diz que usar redes em excesso causa problemas de saúde mental na faixa etária dela
Foto: Freepik

Segundo um estudo do Prince’s Trust com o Education Policy Institute, do Reino Unido, e a rede de supermercados Tesco, foi revelado um relatório que estudou a saúde mental e os problemas de autoestima em jovens de 11, 14 e 17 anos. Com o nome de “Saúde mental e emocional dos jovens”, foram estudadas diversas questões que afetam os adolescentes, inclusive o atual momento de pandemia que vivemos, causado pela Covid-19.

Assim, o que chamou mais atenção na pesquisa é que quanto mais os adolescentes ficam nas redes sociais, mais perdem pontos relacionados ao bem-estar. “Podemos dizer que há uma relação significativa com problemas relacionados à autoestima com adolescentes de 14 anos que usam muitos as redes. Já para os de 17 anos, os que usam bastante encontram um maior sofrimento psicológico”, disse um porta-voz do estudo.

O estudo diz, ainda, que uma em cada três meninas está infeliz com sua aparência aos 14 anos. Portanto, os números melhoram quando a idade é de 11 anos: apenas uma em cada sete possuem o mesmo problema. Enquanto as meninas se preocupam mais com a questão da imagem do corpo em si, de maneira negativa, a pesquisa revela que os meninos veem a imagem de outra forma: eles acreditam que tudo o que está na rede social pode ser fonte de algo que desejam se transformar. Já sobre a pandemia, o estudo afirma que uma vida sedentária e discussões com os pais pioram ainda mais a saúde mental dos adolescentes.

Por conta do que foi levantado, o próprio Prince’s Trust decidiu recomendar uma série de medidas ao governo do Reino Unido para educar os jovens sobre os problemas pelo uso em excesso da rede social. Até mesmo a Apple tem criado medidas para colaborar com o uso saudável das redes sociais.

Em uma entrevista sobre o tema alguns anos atrás, Tim Cook, CEO da Maçã, disse: “não tenho filhos, mas tenho um sobrinho e coloquei alguns limites. Há algumas coisas que não permito, não vou permitir que ele fique numa rede social”. Não é por acaso que a Apple criou uma versão de Não Perturbe para ser usado na escola, no lançamento do Apple Watch SE.

Via Apple Insider