Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Apple Watch pode ser capaz de detectar se um usuário tem Covid-19 dias antes de ser diagnosticado ou os sintomas aparecerem, segundo um novo estudo feito pelo Mount Sinai, em Nova York, uma instituição médicas e acadêmica de ponta. Especialistas dizem que os wearables (tecnologias vestíveis) podem desempenhar um papel vital no combate à pandemia e outras doenças transmissíveis.

Mudanças sutis nos batimentos cardíacos

O estudo do instituto Mount Sinai analisou a variação no tempo entre os batimentos cardíacos, que é uma métrica conhecida como variabilidade da frequência cardíaca. Os pesquisadores dizem que é uma boa medida de como o sistema imunológico de uma pessoa está funcionando. Foi verificado que o Apple Watch pode detectar essas mudanças sutis no batimento cardíaco.

publicidade

“Já sabíamos que os marcadores de variabilidade da frequência cardíaca mudam conforme a inflamação se desenvolve no corpo. E a Covid-19 é um evento incrivelmente inflamatório. Isso nos permite prever que as pessoas estão infectadas antes que percebam”, disse Rob Hirten, autor do estudo e professor assistente de medicina na Mount Sinai Icahn School of Medicine.

Quando se trata de coronavírus, os indivíduos infectados com a doença apresentam menor variabilidade da frequência cardíaca em comparação com aqueles com teste negativo. O estudo acompanhou 300 profissionais de saúde da escola de medicina Icahn do Mount Sinai que usaram Apple Watches por cinco meses. Outro estudo da Universidade de Stanford, na Califórnia, analisou uma variedade de rastreadores de atividade e condicionamento físico da Apple, Fitbit, Garmin e outros fabricantes.

Essa pesquisa, publicada na Nature Biomedical Engineering, descobriu que 81% dos que testaram positivo para coronavírus experimentaram mudanças em seus batimentos cardíacos de repouso. Assim como a métrica de variabilidade da frequência cardíaca, os pesquisadores descobriram que os rastreadores podiam detectar uma infecção até nove dias e meio antes do início dos sintomas.

A principal vantagem dos wearables para verificar a Covid-19

De acordo com o professor da Universidade de Stanford Michael Snyder, uma das principais vantagens dos rastreadores vestíveis é que os usuários os usam constantemente ao longo do dia. Isso, disse Snyder, ajuda a eliminar algumas das desvantagens do teste padrão do coronavírus.

publicidade

“O problema [com o teste padrão] é que você não pode fazer isso nas pessoas o tempo todo. E esses dispositivos ficam em seu braço 24 horas por dia, 7 dias por semana. O smartwatch está sempre coletando dados e os envia imediatamente, em tempo real. Então, se a pessoa usou o relógio continuamente, receberá o resultado do teste em alguns dias”, disse Snyder.

A equipe também desenvolveu um sistema de alarme que avisava os usuários se a frequência cardíaca aumentasse por um período prolongado. Isso pode alertar as pessoas para não sair de casa ou, ao menos, não marcar encontros, uma vez que pode estar contaminada. Toda essa pesquisa pode ajudar os profissionais médicos e o público a reprimir as infecções por coronavírus, uma vez que a maioria dos casos é transmitida por pessoas assintomáticas.

“No momento, recebemos pessoas dizendo que estão doentes e não se sentindo bem. Mas usar um Apple Watch não requer interação física do usuário e pode identificar pessoas que estão com Covid-19 assintomática. É uma maneira de controlar melhor as doenças infecciosas”, afirmou. Hirten disse.

Importante dizer que a Apple não participou e nem financiou o estudo. O modo como deve ser utilizado os smartwatches e quais dados o usuário precisa verificar nos resultados de batimentos cardíacos ainda não foram divulgados.

Via Apple Insider e CBS News