NotíciasÍndia revê regras de e-commerce, e pode afetar Amazon

Paulo Amaral1 mês atrás5 min

A Amazon, um dos principais varejistas do planeta, pode ter problemas caso o governo da Índia resolva levar adiante algumas mudanças nas regras para investimentos estrangeiros no e-commerce. De acordo com a Agência Reuters, os varejistas mais tradicionais do país têm reclamado constantemente da Amazon e da Flipkart (controlada pelo Walmart). Por conta disso, o país pretende fazer alguns ajustes na legislação.

Atualmente, a Índia permite que empresas estrangeiras de comércio eletrônico atuem efetivamente como uma loja que conecta compradores e vendedores, mas proíbe que elas mantenham estoque dos produtos oferecidos. Segundo os varejistas locais, tanto Amazon quanto Flipkart têm driblado essa regra do governo da Índia e, com isso, prejudicando o desenvolvimento do e-commerce do próprio país.

Yogesh Baweja, representante do Ministério do Comércio e Indústria da Índia, afirmou para a agência de notícias que as mudanças nas regras para investidores estrangeiros no e-commerce são “um trabalho em curso”, mas não deu maiores detalhes sobre quais atitudes serão tomadas. Prometeu, no entanto, ouvir o lado das empresas acusadas, como a Amazon, destacando sua importância para o mercado da Índia. “O comércio eletrônico já se destacou no país, principalmente durante a pandemia de Covid-19. A Amazon é um grande player de mercado, então, qualquer recomendação que faça será levada em consideração”.

E-commerce deve gerar US$ 200 bilhões ao ano na Índia

O setor de e-commerce vem crescendo a cada dia na Índia, muito por conta da participação de gigantes como a Amazon e a Flipkart, mas não somente por conta delas. O mercado de varejo, que movimentou aproximadamente US$ 30 bilhões em 2019 (R$ 157 bilhões), tem previsão de movimentar R$ 1 trilhão (US$ 200 bilhões) até 2026.

Um representante dos comércios locais, no entanto, está insatisfeito com o fato de boa parte desses milhões ir para as empresas de fora do País. “A maneira como o governo está pensando é que os mercados não estão fazendo o que deveriam fazer. O governo quer consertar as porcas e parafusos da política”, afirmou, sob condição de anonimato, para a Reuters.

Os investimentos das empresas estrangeiras vêm crescendo desde o início do ano passado. Jeff Bezos, CEO da Amazon, avisou, logo após uma visita à India em janeiro de 2020, que pretendia investir US$ 1 bilhão até 2025 no país. Em agosto, deu seguimento à promessa e inaugurou, em Hyderabab, o primeiro escritório exclusivo da empresa fora dos Estados Unidos em um prédio de 15 andares e 167 mil metros quadrados.

Via Reuters

Imagem: Gerd Altmann/Pixabay/CC