Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Counterpoint, empresa de pesquisas de mercado baseada em Hong Kong, divulgou nesta semana suas estimativas para o custo de fabricação do iPhone 12. Embora aumentos de preço sejam previstos em qualquer novo modelo de celular, o estudo descobriu que o iPhone 12 chega a custar 21% a mais para ser produzido do que seu antecessor. Isso significa uma significativa diferença de cerca de US$ 72, algo em torno de R$ 390. Como a linha foi lançada com preços idênticos à anterior (o Pro 11 e 12 custam US$ 999 e o Pro Max, US$ 1099), a Apple possivelmente está ganhando menos por celular.

A estratégia utilizada para calcular o possível custo de produção do iPhone 12, e poder compará-lo com o mesmo custo do iPhone 11, é consideravelmente simples: a empresa pesquisou e comparou os preços das peças e dos componentes que fazem parte de cada modelo. No caso do iPhone 12, porém, foi estabelecida uma média entre os modelos que possuem a tecnologia 5G mmWave e o 5G padrão adotado em outros modelos.

publicidade
O que causou esse aumento?

Os maiores responsáveis dividem-se em três: a tela, os componentes que possibilitam a conexão 5G e aqueles produzidos pela própria Apple. Em relação à tela, a elevação de preços se justifica pela Apple ter optado pelo OLED no caso do iPhone 12, em detrimento do LCD do iPhone 11. Essa decisão custou US$ 25, equivalentes a R$ 135, a mais no custo de produção.

Além disso, o iPhone 12 vem equipado com um número maior de componentes de radiofrequência se comparado ao modelo anterior, a fim de permitir a conexão 5G. Isso significa um aumento de US$ 19 ou cerca de R$ 100, na cotação de hoje.

Dentre os componentes produzidos pela Apple, o mais caro é o processador A14 Bionic e o motivo envolve seu processo de fabricação. Enquanto o processador do iPhone 11 é produzido a partir da tecnologia de 7nm, o A14 Bionic é resultado da tecnologia de 5nm. Claro, isso corresponde a uma diferença enorme no poder de processamento — 8,5 bilhões versus 11,8 bilhões de transistores em favor do A14 —, mas tem também seu custo, que chega a US$ 17 (R$ 90).

Os outros componentes fabricados pela Apple totalizam pouco mais de US$ 15 (R$ 80) de aumento. Ou seja, somando tudo o que é produzido de maneira autônoma pela empresa, o valor final chega a US$ 32 ou R$ 170, quase metade da diferença de custo entre o iPhone 12 e o iPhone 11.

publicidade

Por outro lado, a Apple também conseguiu cortar alguns gastos referentes, principalmente, ao sistema de câmeras e à caixa em que o smartphone é armazenado. Essas pequenas poupanças somadas, então, totalizam cerca de US$ 13,5, cerca de R$ 73. Fechando o balanço, o custo de produção final do iPhone 12 chega a US$ 415, que equivalem a R$ 2200.

Via Apple Insider

Foto: Alexander Mils / Pexels / CC