Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O recente – e gigantesco – ataque hacker contra a FireEye, empresa de cibersegurança que detém contratos de clientes do governo dos Estados Unidos, fez a Microsoft externar sua preocupação com o crescimento desse tipo de crime. E a pedir respostas “rápidas e globais” para prevenir novas ações dos bandidos virtuais.

Em uma publicação no blog oficial da empresa, a Microsoft rotulou a ação hacker realizada no início da semana como “um ataque aos Estados Unidos, seu governo e outras instituições críticas, como as empresas de segurança”. Segundo a empresa, o ataque acendeu o alerta para um ajuste de contas, que deve ser feito de maneira “forte e global”, sob a liderança dos Estados Unidos.

publicidade

“Ele exige que olhemos com olhos claros para as ameaças crescentes que enfrentamos e nos comprometamos com uma liderança mais eficaz e colaborativa do governo e do setor de tecnologia nos Estados Unidos, para liderar uma resposta de segurança cibernética global forte e coordenada”, clamou a Microsoft.

Como foi o ataque hacker que ligou o alerta na Microsoft

Apesar de não ter, até o momento, acusado formalmente qualquer grupo pelo ataque hacker que preocupou a Microsoft, o CEO da FireEye, Kevin Mandia, afirmou que “estava testemunhando um ataque de uma nação com capacidades ofensivas de primeira linha”, dando a entender que os boatos sobre o envolvimento do SVR (Serviço de Inteligência Estrangeiro da Rússia) poderiam ter fundamentos.

O ataque hacker contra a FireEye, segundo a Microsoft publicou em seu site oficial, deixou ramificações “amplas e mais desconcertantes” do que as vistas nos últimos 12 meses e as tratadas como triviais – usadas pelos governos para espionarem uns aos outros por séculos -, de acordo com a própria empresa.

Segundo a Microsoft, “os invasores recentes usaram uma técnica que colocou em risco a cadeia de fornecimento de tecnologia para a economia em geral”. A empresa divulgou que, conforme relatado pela SolarWinds , o ataque hacker conseguiu instalar seu malware em uma atualização do produto Orion, que pode ter sido instalado por mais de 17.000 clientes.

publicidade
Mapa da Microsoft ilustra como foi ataque hacker

O mapa divulgado pela Microsoft (abaixo) ilustra a telemetria do software Defender Anti-Virus da Microsoft e aponta os clientes que usam a tecnologia e que instalaram versões do software Orion da SolarWinds contendo o malware dos invasores, escancarando a vulnerabilidade criada na cadeia de suprimentos dos Estados Unidos. “A instalação desse malware criou uma oportunidade para os invasores acompanharem, selecionarem e escolherem entre esses clientes as organizações que eles queriam atacar posteriormente, o que parece que fizeram de forma mais restrita e focada”, diz a Microsoft.

Mapa divulgado pela Microsoft ilustra como foi ataque hacker à empresa de cibersegurança nos Estados Unidos

Imagem: Reprodução/Microsoft

“Precisamos de uma estratégia nacional e global mais eficaz para nos proteger contra ataques cibernéticos. Precisará de várias partes, mas talvez o mais importante, deve começar com o reconhecimento de que os governos e o setor de tecnologia precisarão agir juntos”, concluiu a Microsoft, clamando por união para frear, de uma vez por todas, qualquer tentativa hacker de ameaçar à segurança mundial.

Via Microsoft