AppleNotíciasApple quer deixar Qualcomm de lado e criar seu próprio modem pro iPhone

Lucas Soares3 meses atrás4 min

Apesar de atualmente usar modems da Qualcomm em seus iPhones, a Apple está devolvendo seu próprio modem. Segundo a Bloomberg, a empresa de Cupertino está com planos de se tornar independente na produção dos itens a longo prazo.

A Apple possui atualmente um contrato de 6 anos assinado com a Qualcomm para utilizar o modem da empresa no iPhone. Assim, é de se esperar que Gigante de Cupertino continue terceirizando a tecnologia em seus smartphones pelo menos até 2025.

O investimento da Apple na área não é novidade, ano passado ela comprou a divisão de modems 5G da Intel. Apesar disso, essa é a primeira vez que a companhia confirma que planeja utilizar sua própria tecnologia em seus dispositivos.

“Este ano, demos início ao desenvolvimento de nosso primeiro modem celular interno que permitirá outra transição estratégica importante. Investimentos estratégicos de longo prazo como esses são uma parte crítica para habilitar nossos produtos e garantir que tenhamos um rico canal de tecnologias inovadoras para o nosso futuro”, disse o vice-presidente sênior de tecnologias de hardware da Apple, Johny Srouji, os funcionários em uma reunião.

Parceria antiga

Atualmente a parceria com a Apple é responsável por 11% das receitas anuais da Qualcomm e , mesmo sem confirmação oficial, a informação divulgada pela Bloomberg fez as ações da Qualcomm caírem quase 5% pós-fechamento da NASDAQ.

Já faz tempo que a Apple planeja não depender mais de empresas terceirizadas para tecnologias fundamentais em seus dispositivos. A fabricante já lançou seus próprios chips e processadores para iPhone, Mac e Apple Watch.

Dentro dessa estratégia, a produção de modems próprios é fundamental para a Apple, já que os itens são basicamente responsáveis por conectar os aparelhos a rede de internet, realizar ligações e enviar mensagens SMS. Nesse sentido, a compra da divisão da Intel se mostrou crucial. Resta saber quando os novos modems serão lançados, mas como dissemos no começo do post, isso ainda vai levar muitos anos.

Via Bloomberg