NotíciasChina supera EUA em patentes de inteligência artificial

Lucas Berredo3 meses atrás4 min

A disputa entre China e Estados Unidos ganhou importante desdobramento nesta sexta-feira (27). Durante coletiva na 7ª Conferência Mundial da Internet, o vice-diretor da Academia Chinesa de Estudos do Ciberespaço, Li Yuxiao, anunciou que a China, pela primeira vez na história, ultrapassou os americanos em pedidos de patentes de inteligência artificial. Isto é: ao menos por esse critério, ultrapassaram os rivais em tecnologia.

Segundo exposto por Li, a China ingressou com mais de 110 mil registros de patente para IA em 2019. “A China vem fortalecendo sua independência e capacidade em tecnologia de informação na internet”, disse o vice-diretor, que não especificou o número de solicitações registradas pelos Estados Unidos.

Nova Guerra Fria?

A ascensão chinesa no mercado da tecnologia tem levado os EUA a forçarem inúmeras sanções e restrições comerciais ao país. No ano passado, por exemplo, o governo de Washington colocou 28 empresas da China em uma “lista negra” de violações aos direitos humanos. Entre as penalizadas, estavam a Hikvision e a Zheijang Denhua, que atualmente encabeçam cerca de 30% do mercado de vigilância por câmeras de vídeo.

A retaliação veio em maio, quando o Partido Comunista lançou sua própria lista de boicotes. A relação inclui restrições a Apple, Qualcomm e Cisco e uma suspensão de relações comerciais com a Boeing.

A China pretende se tornar o líder global em inteligência artificial até 2030. O país, entretanto, enfrenta desafios de investimento e problemas relacionados a ética e segurança. Um estudo recente também descobriu que a falta de dados de alta qualidade e a escassez de profissionais qualificados tem impedido uma adoção mais ampla da tecnologia na segunda maior economia do mundo.

No ano passado, uma pesquisa realizada pela empresa iiMedia constatou que 53,8% das aplicações para IA na China miram operações de vigilância. Finanças ficaram em segundo lugar, com 15,8%, seguido de marketing (11,6%) e transporte (4,2%).

Via: Gizmochina.