Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Discretamente, em 17 de novembro, um app chamado Productivity Score foi oficialmente lançado. A suposta ferramenta de produtividade da Microsoft dá uma nota de até 800 pontos baseada nas atividades em outros apps, como o Teams, uma plataforma unificada de trabalho de escritório, para funcionários de uma empresa que adquirir o produto. Aí, o Productivity Score usa as notas individuais para criar uma média para toda a empresa. Assim, os chefes tem como comparar seu trabalho com o do resto da equipe.

Mas para especialistas em privacidade, o que o Productivity Score realmente faz é espionar os funcionários para seus empregadores. A ferramenta usa dados coletados pelos apps da Microsoft que os empregados precisam para trabalhar.

publicidade

Os dados usados pelo app de produtividade da Microsoft são quanto tempo um funcionário passa no Microsoft Outlook, quão ativo ele é no Teams, quanto tempo ele passa nas mensagens diretas, e o número de vezes que ele menciona colegas de trabalho nas mensagens. Ah, e aparentemente, o app de produtividade da Microsoft não pontua bem quem não liga a webcam durante as reuniões. E mesmo quem está trabalhando de casa na pandemia, usando aquele pijama velho manchado de comida, não tem como argumentar com o algoritmo sobre não querer mostrar a cara pros colegas.

Especialistas em privacidade alertam

Como Eliot Bendinelli da Privacy International, uma ONG que monitora a vigilância e as invasões de privacidades individuais conduzidas por governos e organizações, escreveu: “Essa ferramenta de produtividade não tem transparência, e não informa os funcionários da sua utilização nem exige seu consentimento. Companhias como a Microsoft não deveriam incentivar empregadores a transformar suas ferramentas de escritório em máquinas de vigilância que violam a dignidade dos funcionários”.

Para Bendinelli, uma ferramenta como o Productivity Score só mina a confiança entre empregador e empregado, e pode resultar nos funcionários achando jeitos de enganar o algoritmo para ter boas notas sem realmente serem mais produtivos.

O Productivity Score da Microsoft poderia abrir um precedente para um futuro distópico nos locais de trabalho? Com os chefes monitorando até quanto tempo você passa no banheiro? Mesmo na sua própria casa? Fica a questão.

publicidade

Via makeuseof