Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Seguindo o exemplo de apps como Discord, o Twitter está testando uma função que permite criar salas de chat por áudio. A novidade foi descoberta em outubro pelo desenvolvedor Alessandro Paluzzi, que compartilhou as imagens do novo recurso em seu perfil na rede social.

De acordo com Paluzzi, o ícone da ferramenta – intitulada Audio Space – ficaria acima do botão flutuante de “novo tuíte”. A partir daí, a sala de chat por voz estaria disponível em duas modalidades: aberta a qualquer usuário no Twitter ou limitada aos perfis que você segue. Aparentemente, não há limite quanto ao número de convites – embora o site Android Community especule sobre um número reduzido de convites, pois seria mais fácil de gerenciar.

Planos de extensão são uma pauta frequente no Twitter. Além dos Fleets – com função semelhante à dos Stories no Instagram –, a plataforma permite, há alguns meses, a publicação com voz para usuários do iOS, restrita a áudios de até 140 segundos. Também já está disponível aos usuários o envio de áudios diretos por mensagem. Desta forma, abrir uma sala de chat no Twitter – aos moldes de como já funciona no Discord, por exemplo – seria um passo natural à tendência.

publicidade
Por que áudios?

Os executivos do Twitter defendem o lançamento de ferramentas de áudio na plataforma como uma forma de inclusão racial e social. Nas palavras de Dantley Davis, chefe de design da empresa, em uma entrevista à Protocol, em setembro: “os tweets em áudio foram um experimento criado para ajudar as pessoas a usarem suas vozes para se expressarem no Twitter.” Ele explica melhor: “pessoas da equipe de design estavam vendo que vozes das comunidades negras no Twitter e fora dele não estavam conseguindo ser ouvidas de forma emocionalmente cativante, apenas pelas restrições da linguagem escrita”.

Por isto, eles resolveram “criar uma ferramenta para essas vozes ressoarem e se conectarem com uma população mais ampla”, disse Davis. Ao mesmo tempo, o novo recurso criou um problema ligado à acessibilidade, especialmente para usuários com deficiência auditiva. Em resposta à crítica, Davis afirma que um time ligado a desenvolvimento e engenharia do produto está considerando a questão nos próximos passos do projeto.

Via Android Community.