Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

De um tempo para cá, você deve ter percebido que usar seu telefone celular para fazer pagamentos é muitas vezes mais prático e mais rápido do que pegar um cartão dentro da sua carteira, bolsa ou mochila. Em tempos de pandemia da Covid-19, a própria OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda o pagamento por aproximação para evitar a transmissão do vírus, o que tornou esse cenário mais frequente para muitas pessoas. Porém, alguns ainda não se sentem seguros ou aptos para usar o smartphone com esse fim. Montamos, então, um rápido guia sobre como fazer pagamentos com o celular.

Além do fator conveniência, há várias razões práticas para fazer pagamentos com um smartphone, incluindo segurança (isso é um aviso para os mais desconfiados). Isso porque as ferramentas de pagamento pelo celular funcionam por operações criptografadas que são menos suscetíveis à violação de dados que os cartões de tarja magnética. Além disso, se você tiver cartões de diversas bandeiras, fica mais fácil gerir seus gastos uma vez que todos eles podem ficar disponíveis para uso no celular. Confira abaixo como funciona, então, os principais métodos de pagamento pelo smartphone.

publicidade
Compatibilidade com NFC

O primeiro detalhe que você precisa saber para fazer qualquer pagamento com o celular é se o aparelho é compatível com NFC (em inglês “near field communication” ou comunicação por campo de proximidade), NFC é um conjunto de sensores eletromagnéticos instalados no hardware do celular que, quando em contato com a maquininha de débito ou crédito de uma loja, permitem a conclusão de uma transação. Toda operação por NFC funciona em baixa conectividade 13,56 MHz, e é feita por meio de uma assinatura digital aleatória que muda a cada transferência. Portanto, você não precisa se preocupar tanto com uma possível interceptação de dados.

Para saber se seu celular Android tem NFC, basta você checar o painel de configurações rápidas do sistema operacional, arrastando a barra de ícones no celular para baixo. Se não funcionar, acesse a seção de configurações no smartphone: na área de conexões, a opção para ativar ou desativar NFC e pagamentos sem contato vai aparecer abaixo de Wi-Fi e Bluetooth.

Os celulares iOS, por sua vez, contam com a tecnologia desde o iPhone 6, embora nesta primeira versão o NFC funcionasse apenas com o Apple Pay. Do iPhone 7 ao iPhone X, a conexão precisa ser ativada na Central de Controle. A partir do iPhone X, a conexão já aparece de forma integrada ao sistema operacional, sem necessidade de ser ativada.

Captura de tela da seção Configurações do Android

No Android, é possível verificar se seu celular está habilitado com NFC na área de Configurações do smartphone

Cadastrando seu cartão

Após a verificação do NFC, você precisa cadastrar um cartão de débito ou crédito no celular para poder realizar as transações. No presente, as plataformas de pagamento mais populares são o Apple Pay, o Samsung Pay e o Google Pay. Elas são chamadas carteiras digitais, pois armazenam dados da sua conta para realizar transações em lojas físicas e virtuais, tanto com um celular quanto com uma pulseira inteligente.

publicidade

Vale lembrar: verifique com seu banco se seus cartões atuais estão disponíveis para cadastro nesses apps, porque são eles que vão autenticar a transação — as plataformas servem apenas como um mediador. Também não se esqueça de verificar se seu token para movimentações bancárias está atualizado. Por exemplo, se você acabou de comprar um celular e o token no aparelho ainda não está vinculado ao app do banco, você não vai ser autorizado para realizar transferências.

A maioria dos bancos hoje oferece o pagamento por aproximação, principalmente em virtude da pandemia. O Itaú, por exemplo, tem compatibilidade para os três provedores citados acima. Por outro lado, o Santander oferece uma integração ao Samsung Pay, mas não às plataformas de Apple e Google. Portanto, por exemplo, pode ser que hipoteticamente você seja um usuário de Moto G6+, tenha uma conta no Santander e não consiga cadastrar um app para pagamento por aproximação, mesmo com o NFC configurado.

Fazendo o pagamento por aproximação

Para efetuar uma transação com o celular, é simples: você pergunta ao lojista se o pagamento por aproximação está disponível. Se sim, ele vai liberar a função na máquina com o valor do serviço comprado e você aproxima o celular do dispositivo, já com a tela do aparelho desbloqueada, o app do cartão selecionado e a conexão NFC ativada (caso necessário).

Espere até a confirmação do pagamento e é isso: sua compra terá sido realizada. Vale lembrar que, para fazer a transação por aproximação, não é necessário conexão de internet. E também fique atento: pode ser que, em uma primeira tentativa, o emparelhamento falhe e você precise dar um leve toque com o celular no terminal.

Alguns provedores têm mecânicas especiais para o pagamento. Por exemplo, o Apple Pay permite que você faça uma transação usando o Face ID e o Touch ID. Na primeira modalidade, o pagamento é autenticado por meio do reconhecimento facial e depois o usuário aproxima o celular do leitor da máquina. Na segunda, a operação é finalizada da mesma forma, mas o usuário coloca o dedo no Touch ID do iPhone para autenticar a transação.

Em suma, a fórmula é sempre a mesma: ative o NFC do celular, abra o app em que você cadastrou o cartão de débito ou crédito e aproxime o aparelho do leitor. O processo inteiro dura em torno de dez a 15 segundos.

Pagamento por QR code

Há também como fazer pagamentos com o celular via QR code, uma evolução do antigo código de barras. Para efetuá-lo, basta ter um celular com câmera (algo praticamente obrigatório hoje) e um provedor de pagamentos que tenha suporte ao recurso — há vários hoje em dia, desde apps de bancos, como Caixa Tem, Bradesco Pay e Iti (Itaú), a apps de entrega de comida, como o Movile Pay, do iFood.

Após cadastrar seu cartão de débito ou crédito em um desses aplicativos, pagar uma conta é bem simples. Na maioria dos provedores, você seleciona a opção para “pagar com QR code”, aponta a câmera para o código gerado pelo vendedor e espera pelo escaneamento da imagem. Confira o valor da compra (ou digite, caso necessário), mostre ao lojista e confirme a transação. Pronto, tudo está resolvido.

Vale lembrar que algumas plataformas de pagamento oferecem cashback por uma transação com QR code. Esse termo em inglês significa literalmente “dinheiro de volta”, e é usado pelas empresas para seus programas de recompensa por movimentação financeira. Em alguns casos, o usuário recebe 10% de volta do valor direto na conta do app, como no PagBank, ou acumula pontos de acordo com a transação, ou uma promoção em vigor, como são os casos do PicPay e do Iti.

Imagem: Jonas Leupe/Unsplash/CC