Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Celulares são, em essência, telefones por rádio. E rádio é uma emissão eletromagnética que afeta e é afetada por outras. Então a resposta curta é: sim, um celular é afetado por campos magnéticos. O que falta dizer é como, e o que fazer a respeito disso.

Conforme o guia da Associação Nacional de Operadores Celulares (Acel) relembra, campos magnéticos estão presentes naturalmente no meio ambiente (pessoas, animais, plantas, minerais, etc) e em tecnologias desenvolvidas pelo ser humano. “Todo objeto físico com temperatura acima do zero grau absoluto emite radiação,” explica a instituição. Para se conectar à rede, os celulares precisam acessar os campos eletromagnéticos de alta frequência, popularmente chamados de radiofrequências. Estas ondas são emitidas pelas Estações Rádio Base (ERBs), em faixas mínimas que vão de 850 a 900 MHz e máximas de 1800 a 1900 MHz, a depender da frequência.

publicidade

Por sua vez, o celular emite também seu campo ao responder a essas estações também por rádio. Os campos eletromagnéticos dos celulares operam em faixas muito próximas às utilizadas por outros eletrônicos, como rádios, TVs, internet sem fio e alguns eletrodomésticos, como micro-ondas. Como resultado, o uso do seu smartphone pode interferir no desempenho de outros dispositivos, e vice-versa.

Em alguns casos, a sobreposição das ondas eletromagnéticas pode ser muito baixa para notar alguma diferença. Em outras, pode causar incômodos. Utilizar uma conexão 4G pode causar interferências, por exemplo, no funcionamento de telefones fixos ou equipamentos de captação de áudio.

A situação agrava quando a interferência afeta diretamente áreas ou atividades que dependem de sinais claros para funcionar corretamente. As ondas de radiofrequência do celular, por exemplo, podem impactar no funcionamento de equipamentos hospitalares, aeronáuticos ou automotivos. Ainda que não haja caso de acidentes aéreos causados por celular, voos comerciais e hospitais frequentemente pedem para as pessoas manterem o celular desligado.

Os riscos de interferência dos celulares nos campos eletromagnéticos não se resumem a isso. Aparelhos pessoais, como marcapassos e alguns auxiliares auditivos e também podem sofrer alterações no desempenho por conta de smartphones. É importante o usuário observar as recomendações dos manufaturadores dos equipamentos de saúde para descobrirem as orientações de uso correto de celular.

publicidade

Via TIM

Imagem: primeimages/iStock