Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Twitter começou a testar uma nova fonte para digitar caracteres chamada Chirp. Anunciada em janeiro deste ano, a tipografia já pode ser utilizada – embora de forma restrita – na versão web da plataforma para macOS. Ainda não há informações sobre quando haverá a introdução em outros sistemas operacionais e no app para celular.

Relatos de usuários dão conta de que uma ampla implementação da Chirp na plataforma web começou na noite da segunda-feira (10/05). No teste realizado pelo Vida Celular, a fonte no macOS segue a Helvetica Neue, mas sites americanos como o Android Police e o Gadgets 360º já confirmaram a mudança. Outros detalhes, claro, podem afetar na aparência da nova fonte e o Twitter ainda não reconheceu formalmente o lançamento da tipografia.

publicidade

A Chirp mescla elementos do estilo grotesco europeu e do gótico americano, com traços que remetem composição em xilogravura. Segundo o tweet acima, do usuário (Bovinedreamz), a nova fonte do Twitter está disponível em três opções de peso: regular, negrito (Bold) e extra-negrito (Black). Todas fazem parte da família Chirp Sans.

publicidade

No começo deste ano, Derrit DeRouen, diretor de criação do Twitter, avisou que a Chirp não demora a ser vista na versão web, embora não tenha especificado o cronograma de lançamento. A fonte foi desenvolvida em parceria com a empresa suíça Grilli, responsável pela criação de tipografias alternativas para Pinterest e WeTransfer.

Imperfeição no lugar da eficiência

A adoção da Chirp indica um detalhe importante: esta é a primeira vez que o Twitter cria uma fonte personalizada. No passado, a plataforma utilizou fontes como Helvetica Neue e Roboto, que aludiam ao ethos minimalista predominante nos anos 2010: minimalismo, sobriedade e eficiência futurística. Desta vez, a ideia é trazer imprevisibilidade aos contornos gráficos.

“Nosso principal objetivo com esta atualização de marca é melhorar a forma como transmitimos emoção e imperfeição”, explicou DeRouen, sobre o conceito por trás da mudança. “Independentemente de você ser pró ou anti-Helvetica, todos podemos concordar que ela não dá conta do trabalho.”

Via Gadgets 360º

Imagem: Marten Bjork/Unsplash/CC