Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Um usuário de iPhone perdeu quase todas as suas economias ao cair num golpe de Bitcoin de um aplicativo que baixou na App Store. A vítima, Phillipe Christodoulou, tomou um prejuízo de 17,1 Bitcoin, o que equivalia a US$ 600 mil na época do golpe, mas que hoje vale US$ 1 milhão. E Christodoulou disse ao Washington Post que a Apple não voltou a entrar em contato com ele sobre o assunto depois que ele fez a reclamação.

Trezor não tem app para iOS, mas havia um falso na App Store

Segundo Christodoulou, ele queria conferir seu saldo no Trezor, um hardware que funciona como carteira para criptomoedas, em fevereiro. A vítima entrou na App Store e buscou por Trezor, encontrando um app com o mesmo logo da companhia e quase cinco estrelas de avaliação. Sem desconfiar que poderia ser um golpe, já que o aplicativo estava disponível no mercado de apps “mais seguro do mundo”, segundo a Apple, Christodoulou baixou o aplicativo e digitou suas informações. Em segundos ele teve sua carteira digital esvaziada.

publicidade

Como disse um porta-voz da empresa, a Trezor não oferece nenhum aplicativo para iOS, e alerta imediatamente a Apple e o Google quando encontra casos de apps fake. Realmente, ao entrar no site, vemos que a empresa tem apps para Windows, MacOS e Linux, e está desenvolvendo um para Android, mas ainda não tem um app oficial para iOS.

Apple diz que desenvolvedor mudou programação depois

Explicando como o app de golpe com Bitcoin passou pela revisão da App Store, a Apple disse que o desenvolvedor usou o truque “isca e troca”. Mesmo tendo o mesmo logo e cores do Trezor, o desenvolvedor disse que seu app era de “criptografia” para arquivos e senhas, e ele acabou aprovado para ser vendido na loja. Depois que o aplicativo fake foi incluído na App Store, o desenvolvedor mudou a programação para que o aplicativo virasse uma carteira de criptomoedas.

A empresa de inteligência de aplicativos Sensor Tower disse que esse app de golpe com Bitcoin foi baixado aproximadamente mil vezes quando estava disponível na App Store, de 22 de janeiro a 3 de fevereiro, sem ser detectado pela Apple. A Apple não revelou para o Washington Post o nome do desenvolvedor do app Trezor fake, e nem deu indicação de que entrou em contato com as autoridades sobre o caso.

Christodoulou, que, com toda razão, não está nada feliz com a Apple, disse: “eles traíram a confiança que eu tinha neles. A Apple não merece se safar dessa”.

publicidade

Via MacRumors

Imagem: Karolina Grabowska (Pexels)