Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Em resposta a uma ação coletiva nos EUA, o TikTok decidiu pagar US$ 92 milhões na quinta-feira para 21 processos por supostas violações de privacidade. Como um porta-voz da rede social escreveu ao The Verge: “Mesmo discordando das afirmações, em vez de passar por um litígio longo, gostaríamos de focar nossos esforços em construir uma experiência segura e prazerosa para a comunidade do TikTok”.

Esse não é o primeiro caso em que o TikTok decide pagar para evitar processos envolvendo privacidade. Em 2019, a companhia fechou um acordo num processo envolvendo privacidade de menores de idade. O TikTok também pagou US$ 5,7 milhões no mesmo ano para a Federal Trade Commission, por acusações de que seu aplicativo anterior, o Musical.ly, não exigia aprovação dos pais ou responsáveis para aceitar crianças na plataforma.

publicidade

As acusações da ação atual contra o app incluem analisar o rosto dos usuários para determinar etnia, gênero e idade para rastrear usuários e direcionar anúncios para eles. Outra alegação diz respeito a Computer Fraud and Abuse Act (Lei de Fraude e Abuso de Computador), sobre como o TikTok transmite dados privados para fora dos EUA.

Além de pagar US$ 92 milhões, o TikTok também afirma que vai evitar comportamentos que possam comprometer a privacidade dos usuários, ou especificar esses comportamentos em sua política de privacidade. Os comportamentos que a plataforma se comprometeu a evitar envolvem armazenar informação biométrica, coletar dados de GPS e de área de transferência, além de armazenar ou enviar dados de usuários dos EUA para outros países.

O TikTok não respondeu os pedidos de comentário do The Verge sobre se vai mudar sua política de privacidade, e um tribunal americano ainda precisa aprovar o acordo.

Imagem: iXimus / Pixabay

publicidade