Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Emails internos obtidos pela ProPublica revelaram que o Facebook decidiu acatar uma ordem do governo da Turquia e censurar a página do grupo paramilitar da minoria curda Unidade de Proteção Popular (YPG) em 2018. A ordem veio durante a ofensiva Afrin, onde o exército turco visava expulsar minorias curdas do norte da Síria, e a censura continua até hoje. O governo turco considera o YPG uma organização terrorista, mas o governo americano e o próprio Facebook não; do contrário, a censura da página pelos Padrões de Comunidade do site seria válida.

Segundo os emails, uma equipe de monitoramento acessou a situação no país e alertou o vice-presidente de políticas públicas globais da companhia, Joel Kaplan. “Somos a favor de bloquear por geolocalização [na Turquia] conteúdo do YPG se a perspectiva de derrubada [do site do Facebook no país] for grande”, os monitores escreveram. “Mas bloquear o YPG tem seus riscos”, eles acrescentaram, “ativistas fora da Turquia provavelmente vão notar nossas ações, e nossa decisão pode atrair atenção indesejada para nossa política de bloqueio por geolocalização”.

publicidade

Kaplan então escreveu para a COO do Facebook Sheryl Sandberg e o CEO Mark Zuckerberg, dizendo concordar com a recomendação. Depois de uma breve discussão, Sandberg respondeu com “Por mim, tudo bem”. Numa declaração para o ProPublica, o YPG disse: “usamos as redes sociais para promover nossa luta contra jihadistas e outros extremistas que atacaram ou estão atacando curdos sírios e o norte da Síria”. O grupo acrescentou que a censura de sua minoria no Facebook e outras plataformas de redes sociais acontece “num nível extremo”.

Sobre a questão, o porta-voz do Facebook Andy Stone disse ao ProPublica: “Nós nos esforçamos para preservar a voz do maior número de pessoas. Mas há ocasiões onde restringimos conteúdo com base na lei local, mesmo se ele não viola nossos padrões de comunidade”. Em um post recente sobre a Turquia em seu blog, o Facebook dizia: “Acreditamos que liberdade de expressão é um direito humano fundamental, e trabalhamos duro para proteger e defender esses valores no mundo todo”.

Via Engadget

Imagem: Masoud Zada / Pixabay

publicidade