Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

A Qualcomm pode se ver respondendo por uma ação no tribunal do Reino Unido por monopólio – e que pode terminar em uma restituição financeira para cerca de 29 milhões de britânicos donos de smartphones. A Which? (assim mesmo, com interrogação), organização de defesa dos direitos do consumidor, iniciou uma campanha contra a gigante de tecnologia, e está pedindo £ 482,5 milhões (libras) em indenização aos donos de celulares.

Os motivos para a ação, segundo a Which?, estão no preço alto de aparelhos da Samsung, Apple e todas as entradas recentes no mercado que usam recursos da Qualcomm. A fabricante estaria infringindo as leis antitruste ao tomar vantagem de seu domínio de mercado, obrigando os parceiros a aceitarem contratos de valores inflados por falta de concorrência para usar suas tecnologias. Como resultado, os novos smartphones estariam muito mais caros.

publicidade

A Which? está levando o processo adiante no Tribunal de Apelo Competitivo, mas deixou em aberto para que a fabricante tome iniciativa para ressarcir os usuários sem ir à corte. Se isso acontecer, a organização retiraria o processo sem exigir maiores valores. Neste caso, a restituição por monopólio da Qualcomm pagaria no mínimo £ 16,7 para cada um que comprou um smartphone no Reino Unido desde 2015.

Acusações como essa já encontraram precedentes em outros tribunais. Recentemente, a Comissão Européia processou a Qualcomm em € 242 milhões por infração de leis antitruste. O tribunal internacional apontou que a fábrica de semicondutores é dona de 60% da fatia do mercado – três vezes mais do que seu maior concorrente, e que abusou desse poder para elevar barreiras no mercado.

A Qualcomm, por sua vez, não parece muito intimidada. Em resposta à BBC, um representante da empresa alegou que o processo “não tem base” para entrar em julgamento.

Via TechRadar

publicidade