Vida Celular

Tudo sobre os melhores celulares

Nós do Vida Celular e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Segundo uma ordem executiva assinada na segunda-feira, Steve Jobs, entre outras centenas de figuras públicas, deve ganhar uma estátua no “Jardim dos Heróis Nacionais”. O jardim é um projeto de Donald Trump que visa homenagear as “lendas do passado da América”.

Outras personalidades que deveriam ganhar estátuas no monumento com o co-fundador da Apple incluem Emily Dickinson, Walt Disney, Aretha Franklin, Kobe Bryant, Miles Davis, Rosa Parks, Nikola Tesla, Martin Luther King Jr. e Hannah Arendt.

publicidade

A ordem diz: “Cada indivíduo foi escolhido por encarnar o espírito americano de ousadia e desafio, excelência e aventura, coragem e confiança, lealdade e amor. Surpreendendo o mundo pela simples força de seu exemplo, cada um deles contribuiu indispensavelmente para a nobre história da América, cujos melhores capítulos ainda estão por vir”.

Trump falou antes sobre a ideia em um discurso no Monte Rushmore, no estado da Dakota do Sul. O jardim seria uma resposta aos protestos pedindo a remoção de estátuas de combatentes confederados, figuras de escravocratas e outros monumentos polêmicos nos EUA. “Essa é nossa resposta para a tentativa de apagar nossos heróis, valores e modo de vida. Em seu local, a devastação e discórdias atuais serão superadas com amor pelo país e patriotismo”, diz a ordem. No documento, Trump chega a comparar pichações em monumentos confederados ao atentado de 11 de setembro de 2001.

Depois de sua posse, que acontece amanhã (20/01), o presidente eleito Joe Biden prometeu reverter várias políticas de Trump, então a estátua de Jobs e mesmo o próprio “Jardim dos Heróis Nacionais” dificilmente devem sair do papel.

Via MacRumors e The Guardian

publicidade